“Acredito que no associativismo podemos garantir algum do combustível essencial para o nosso percurso profissional.” – Nuno Marçal

É seguramente um dos bibliotecários mais conhecidos do país e tem visto o seu trabalho reconhecido além fronteiras. Nuno Marçal passa os dias em deambulação pelas terras de Proença-a-Nova, certo de que aos seus isolados conterrâneos leva muito mais do que livros. Para alguns ele é realmente uma das poucas ligações à vida e se alguém conhece o significado da palavra interioridade, Nuno Marçal é uma dessas pessoas. Nesta breve entrevista ele sublinha a importância que a BAD teve e continua a ter para o seu trabalho viajante e a metáfora que usa não podia ser mais apropriada. Nuno Marçal_peqHá quanto tempo é associado (a) da BAD?
Caso a memória não falhe, tudo começou com uma conversa e um folheto na esplanada da universidade, ainda no primeiro ano das ciências documentais. Corria o ano de 2000.

Quais as razões que o (a)  levaram a associar-se?
A vida associativa sempre fez parte do meu quotidiano. Acredito que no associativismo podemos garantir algum do combustível essencial para o nosso percurso profissional.
A associação de profissionais de uma mesma área, pode ser uma excelente forma de partilha de saberes e sentires entre pares que sabem,fazem e sentem o mesmo no seu quotidiano profissional.

Ao longo de tempo, de que forma considera que a BAD contribuiu para a sua vida profissional?
A oferta formativa tem sido diversa nos suportes e formatos. Para quem está longe dos grandes centros urbanos, a possibilidade dada pelos webinars aproximou os associados e não só de diversas formações que são importantes para o nosso saber fazer profissional e quotidiano.

Como encara o associativismo, sobretudo nos dias de hoje?
Vivemos tempos difíceis e ao contrário do que seria de esperar, ao invés de em conjunto procurar soluções e tentar suavizar algumas dessas dificuldades, muitos profissionais fecham-se nas suas conchas e esperam que a tempestade acabe por passar.
Este fechar de olhos, este quase masoquismo de tentar passar incólume ou simplesmente ignorar o que passa à nossa volta não augura nada de bom para o associativismo.
Está na hora de sair da concha. Os tempos são difíceis e essa atitude de clausura em nada ajuda. É preciso reagir e agir em conjunto! É necessário enfrentar os medos de exposição das nossas fraquezas! É possível, em conjunto aplacar dores e encontrar possíveis soluções!

Que mensagem gostaria de deixar aos novos profissionais da área da Ciência da Informação relativamente ao associativismo?
Juntos podemos fazer mais. Juntos podemos e devemos fazer melhor!
Juntem-se a nós!

Nota biográfica
Nuno Marçal nasceu em Castelo Branco a 20 de Setembro de 1974. É bibliotecário, por paixão na Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova desde 2003. Desde 2006 exerce funções de Bibliotecário-Ambulante, onde tenta conciliar a Razão e a Paixão ao volante da Bibliomóvel, projecto itinerante de biblioteca, que se desloca pelas povoações das seis freguesias do concelho de Proença-a-Nova como intuito de divulgar o livro a leitura e algo mais… Editor do blogue: http://opapalagui.blogspot.com/ onde retrata e relata as andanças da Bibliomóvel por terras e gentes de Proença-a-Nova.

 

Sobre o Autor

José António Calixto