Compartilhamento de dados de pesquisa em neurociências: a percepção luso-brasileira

Viviane Santos de Oliveira Veiga, Cicera Henrique da Silva, Maria Manuel Borges, Paulo Borges

Resumo


Esta pesquisa objetivou conhecer a percepção do neurocientista, do Brasil e de Portugal, quanto ao compartilhamento de dados de pesquisa. Para cumprir o objetivo adotou-se uma abordagem mista, qualitativa e quantitativa, utilizando como instrumento de coleta de dados um questionário semiestruturado, complementado por algumas entrevistas aos diretores das unidades de pesquisa e aos pesquisadores. Em Portugal (PT), o questionário foi enviado para 333 pesquisadores e foram retornados 46 (14%) questionários respondidos. No Brasil (BR), o questionário foi enviado para 139 pesquisadores, com 38 (27%) questionários respondidos.

Observou-se que os pesquisadores portugueses e brasileiros que compartilham dados de pesquisa têm como principal motivação o altruísmo, compartilhando os dados motivados pela importância da sua reutilização por outros pesquisadores. A segunda motivação afirmada entre os portugueses é “Para recompensa financeira/promoção na carreira”; e para os brasileiros é “Para ajudar a melhorar a qualidade da pesquisa científica”. O fator que mais influenciou o pesquisador para não compartilhar foi “Desconfiança/Plágio”, com 57,1% (PT) e 41,9% (BR), seguido de “Preocupações com perda de oportunidade de publicação”, com 44,4% (PT) e 40% (BR). O fator contextual que mais influenciou o pesquisador foi o “Desconhecimento do Repositório”, para 30,6% (PT) e 40% (BR).

Palavras-chave


Compartilhamento de Dados de Pesquisa; Ciência Aberta; Neurociências; Repositórios Institucionais

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Parceiro institucional:

EBSCO