Avanços e limites da comissão Milton Santos de memória e verdade da UFBA: análise arquivística

Leandro Coutinho, Zeny Duarte

Resumo


A ditadura civil-militar brasileira (1964-1985) instaurou no país um Estado de exceção. Nesse período, as violações aos direitos humanos e o cerceamento das liberdades individuais foram institucionalizadas no Brasil. No contexto universitário, espaço de tradicional efervescência política, o Estado autoritário atuou no sentido de reprimir e silenciar as vozes destoantes do novo governo. Antes mesmo do término da ditadura, um conjunto de ações começam a ser executadas com a finalidade de consolidar a justiça de transição no Brasil – a exemplo da criação das Comissões da Verdade. O objetivo do presente artigo é apresentar os avanços e limites da Comissão Milton Santos de Memória e Verdade (CMSMV), da Universidade Federal da Bahia(UFBA), assim como produzir uma análise arquivística no sentido de compreender a contribuição que a Arquivologia proporcionou aos trabalhos do colegiado. Acerca dos procedimentos metodológicos, essa investigação, com um enfoque descritivo e de abordagem qualitativa, caracteriza-se enquanto um estudo de caso, utilizando como técnica de coleta de dados a pesquisa bibliográfica. Conclui-se que, apesar das limitações impostas à referida comissão, foi possível perceber – a partir de uma análise arquivística – a contribuição da Arquivologia nos achados documentais e informacionais acerca do tema em tela, por meio de documentação selecionada.


Palavras-chave


Comissão Milton Santos de Memória e Verdade, Análise arquivística, Direito à memória e à verdade, Justiça de transição, Universidade Federal da Bahia

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.