Ficheiro Nacional de Autoridades Arquivísticas - Interoperabilidade e manutenção colaborativa

Miguel Ferreira, Sébastien Leroux, Rui Castro, Luís Faria

Resumo


O Ficheiro Nacional de Autoridades Arquivísticas  (FNAA), promovido pela Direção-Geral de Arquivos (DGARQ), tem como principais objetivos recolher e disponibilizar de forma normalizada descritivos de pessoas (coletivas, singulares ou famílias) no contexto da sua relação com a documentação de um arquivo, i.e. produtor, colecionador, autor, detentor, etc.

O FNAA contempla o registo de aspetos variados como a história destas entidades, as funções que exerceram e/ou exercem (de cujo exercício decorre toda a sua produção documental), ou ainda o registo de interações entre estas.

Para além de disponibilizar interfaces para o utilizador (humano), o FNAA disponibiliza interfaces programáticas, i.e. que possibilitam a interação a partir de outras aplicações de software. Estas interfaces permitem que outras aplicações executem qualquer uma das operações oferecidas aos utilizadores, como a pesquisar, criar ou atualizar de registos de autoridade, entre outras.

Este artigo irá abordar os aspetos técnicos subjacentes ao sistema FNAA, dando um especial ênfase à integração de sistemas que o FNAA favorece. O FNAA terá tanto mais sucesso, quantos mais criadores de software integrarem as suas aplicações com o FNAA. O artigo irá explicar em detalhe as interfaces programáticas (APIs – Application Programming Interfaces) disponibilizadas pelo FNAA, dando exemplos de utilização e servindo de guia de implementação para todos os fabricantes e investigadores que desejarem desenvolver ferramentas de valor acrescentado em torno do Ficheiro Nacional de Autoridades Arquivísticas.


Palavras-chave


Registo de autoridade, arquivos, normalização, contexto de produção, interoperabilidade, trabalho colaborativo

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.